Coletivos publicam pesquisa inédita para mapear perfil demográfico de lésbicas no Brasil


Uma pesquisa inédita com mais de 21 mil lésbicas brasileiras, acima de 18 anos, de todos os estados foi publicada no dia 29 de agosto - Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. Trata-se da primeira pesquisa demográfica do mundo voltada especificamente para a população lésbica.

O relatório da 1ª etapa do "LesboCenso: Mapeamento de Vivências Lésbicas no Brasil", realizada pela Associação Lésbica Feminista de Brasília - Coturno de Vênus e a Liga Brasileira de Lésbicas (LBL), tem como objetivo subsidiar, por meio dos dados, a formulação de políticas públicas em âmbito federal, estadual e municipal específicas para lésbicas.


O LesboCenso coletou informações sobre autoidentificação, trabalho, educação, saúde, relacionamentos, relações familiares e redes de apoio que as lésbicas e sapatões possuem nas diversas regiões do país. O formulário online foi aplicado entre 29 de agosto de 2021 e 30 de maio de 2022.


Autoidentificação A maioria das que responderam ao questionário se autoidentificou como lésbicas (51.3%), sapatão (26.4%), mulher gay (3,8%), homossexual feminina (2,1%), entre outras denominações.


Em relação à expressão de gênero, as respondentes se identificaram mais com o padrão social de feminilidade (98,4%), e à identidade de gênero mais autodeclarada foi a cisgênero (85,2%), seguida de não binária (6,3%), agênero (1,1%) e pessoa trans (1%).


A média de idade das respondentes é de, aproximadamente, 30 anos. Em relação à raça/etnia, 33,5% se autoidentificou como negra (pretas e pardas) e 61,9% como branca. As respondentes residem, em sua maioria, em bairros de classe média (37,1%), zona central (23,9%) e em bairros periféricos (13,83%). Apenas 2,8% residiam na zona rural, 1,7% em favelas e menos de 1% em comunidades quilombolas e em aldeias indígenas.


As entrevistadas afirmaram que a renda familiar na época da pesquisa se concentrava entre R$ 2.001,00 e R$ 4.000,00 para 26,1% e de R$ 4.001,00 a R$ 8.000,00 para 23,6%.


No que se refere à religião, 36,4% responderam que não ter nenhuma religião, seguidas por 12,2% que disseram ser adeptas de religiões afro-brasileiras (candomblé/umbanda) e 11% da religião católica.


A pesquisa ainda revelou que 66,5% afirmaram que eram assumidas em todos os espaços e lugares de convívio e 31,6% em apenas alguns espaços e lugares de convívio. Entre os lugares em que não eram assumidas, destacam-se: família (28,2%), trabalho (21,%), instituição religiosa (17,7%), escola e universidade (16,4%) e amigas/amigues/amigos (15,3%).


Trabalho Das mais de 18,5 mil entrevistadas que responderam se estavam trabalhando, 73,4% responderam que sim. Destas, 61.8% estavam trabalhando na sua área de formação. A maioria estava trabalhando com carteira assinada (37,1%) ou por conta própria/autônoma (21,5%). 26,6% não trabalhavam no momento da pesquisa.


As principais fontes de renda nos 30 dias anteriores à pesquisa relatadas foram: trabalho regular com carteira assinada (22,2%), trabalho por conta própria/autônoma (19,6%), família/parceira(e), amigas/amigues/amigos (13,8%) e trabalho regular sem carteira assinada (10,1%).


Lesbofobia A maior parte das entrevistadas, 78,6%, já sofreu algum tipo de lesbofobia - intersecção entre a homofobia e o sexismo contra mulheres lésbicas - e conhecem quem já sofreu violência por ser lésbicas ou sapatão (77,3%). Cerca de 6,2% afirmaram conhecer alguém que morreu por ser lésbica ou sapatão.


Os tipos de atos lesbofóbicos mais destacados foram: assédio moral (31,3%), assédio sexual (20,8%) e violência psicológica (18,3%). Em relação às situações de violência, as que mais se destacaram foram: a interrupção da fala (92%), contato sexual forçado sem penetração (39,1%), impedimento de sair de casa (36,4%) e obrigadas a manter relações sexuais com penetração (24,7%). A rua foi o local onde, com maior frequência, ocorreu a lesbofobia (19,6%), seguida pela casa (14,6%) e local de lazer (11,9%).


No que se refere ao agente causador de violência, a família apareceu com 29,32%. As figuras da mãe (9,9%) e de outros familiares fora da família nuclear (8,3%) são os principais agentes de lesbofobia. Se considerarmos pessoas conhecidas e desconhecidas, apenas 21,2% eram desconhecidas.


Família Ao serem perguntadas se tinham filhas, filhes, filhos, 9,7% afirmaram que sim. No que se refere a situações de lesbofobia durante a gestão, parto e puerpério, 9,6% afirmaram ter sofrido. Já em relação a situações de lesbofobia com filhas, filhes, filhos, 28% disseram que foram vítimas, sendo que os lugares onde a maioria das violências ocorreu foi: em espaços de sociabilidade (25,4%), seguida pela realização da matrícula na escola (16,1%) e do acesso à saúde (11,6%).


Saúde O acesso à saúde das respondentes se dava majoritariamente pela rede privada (67,1%), sendo que 31,4% acessavam pela rede pública. Das respondentes, 72,9% relataram que possuíam medo, receio ou constrangimento de falar sobre sua sexualidade/orientação afetivo-sexual ou falar que é sapatão/lésbica em algum atendimento de saúde.


No que se refere à frequência que realizavam exames ginecológicos, 26% afirmaram que os realizavam sem regularidade, 12,5% nunca realizaram e 12,2% realizavam a cada dois anos. Essa situação pode estar relacionada ao fato de 24,9% terem relatado que se sentiram discriminadas/violentadas por serem lésbicas/sapatão em um atendimento ginecológico.


Em relação às ISTs/HIV/Aids, 14,8% afirmaram que já tiveram alguma infecção sexualmente transmissível (IST) e 37,2% nunca realizou o teste para vírus da imunodeficiência humana (HIV), tendo com principais motivos: não sabiam onde fazer (39,7%), acreditavam que, por serem lésbicas/sapatão, seria pouco provável terem sido expostas ao HIV (34,6%) e não queriam pensar sobre HIV ou HIV positivo (11%).


"A saúde se demonstrou como um espaço lesbofóbico, considerando que boa parte das lésbicas e sapatão entrevistadas relatou não se sentir confortável para falar sobre sua orientação sexual, além do desconhecimento em relação às ISTs/HIV/Aids. Situações que demonstram que ainda precisamos atuar fortemente na aproximação entre as usuárias e os equipamentos de saúde, fortalecendo a saúde pública e coletiva", diz a pesquisa.


Redes de apoio Das respondentes, 6,4% participavam de algum coletivo, associação, grupo, sindicato, movimento social e/ou grupo de pesquisa. Apenas 36,3% desses coletivos, associações, grupos, sindicatos, movimentos sociais e/ou grupos de pesquisa eram focados em lésbicas e sapatão. Isso revela que a maioria das respondentes não era ativista e militante.


II LesboCenso Nacional Os coletivos afirmam que nos próximos censos serão aprofundados aspectos que não foram possíveis nesta versão. E que, para o II LesboCenso Nacional, o desafio será acessar as lésbicas e sapatões que possuem pouco ou nenhum acesso à internet. "Situação que ficou evidente ao restringirmos a coleta de dados ao formato online nesta etapa em decorrência da pandemia de Covid-19", afirma o LesboCenso.


Fonte: ANDES-SN