Conad Extraordinário indica ao 41º Congresso a saída do ANDES-SN da CSP-Conlutas

Atualizado: 16 de nov.


Após dois dias de debates, que foram precedidos pelas discussões nas assembleias de base, as e os participantes do 14º Conad Extraordinário do ANDES-SN deliberaram por encaminhar ao 41º Congresso do Sindicato Nacional a desfiliação da CSP-Conlutas. A decisão foi aprovada neste domingo (13), durante a plenária do Tema 2 Questões Organizativas, com o tema “CSP-Conlutas: balanço sobre atuação nos últimos dez anos, sua relevância na luta de classes e a permanência ou desfiliação da Central”.


Este 14º Conad Extraordinário é uma deliberação do 40º Congresso do ANDES-SN, realizado em fevereiro de 2020, em São Paulo. O evento aconteceu no Auditório da Seção Sindical da Universidade de Brasília (Adunb SSind.), entre 12 e 13 de novembro, com a presença de representantes de 75 seções sindicais, sendo 69 delegados e delegadas, 106 observadores e observadoras, 6 convidadas e convidados e 31 diretores e diretoras do ANDES-SN, totalizando 212 pessoas.


Debates A plenária teve início pela manhã, com 40 falas de diversas e diversos participantes, respeitando a paridade de gênero, que trouxeram análises sobre a atuação da central sindical e da participação do ANDES-SN na CSP-Conlutas. A proposta “Indicar ao 41º Congresso a desfiliação do ANDES da CSP-Conlutas” foi aprovada com 37 votos favoráveis, 22 contrários e 05 abstenções.


Na sequência, após a votação do mérito, as e os docentes passaram a discutir os textos de resoluções do Caderno de Texto, previamente debatidos nos grupos de trabalho na noite de sábado (12). Foi deliberado, ainda, indicar ao 41º Congresso, que será realizado em fevereiro de 2023 no Acre, a desfiliação da Central Sindical.Também foram aprovadas a realização, no próximo ano, de um seminário para debater a organização da classe trabalhadora e continuar construindo espaços aglutinadores das lutas, e recomendações de temáticas e sintetização dos debates.


Jennifer Webb Santos, 3ª tesoureira do ANDES-SN, presidiu os trabalhos e avaliou que a plenária garantiu um amplo debate entre as e os participantes. “Isso possibilitou expressar a pluralidade de opiniões e de argumentos que nós temos dentro do Sindicato e a nossa compreensão sobre a importância da entidade estar filiada a uma central sindical. E, nesse momento, democraticamente o Sindicato entende que é hora de indicar ao próximo congresso a sua desfiliação da CSP-Conlutas. Esse debate é fruto, inclusive, de um debate que a nossa base vem fazendo ao longo de um processo histórico da construção do ANDES-SN. E, manifestado aqui hoje, foi justamente isso: a síntese de todas as posições que vêm da base, das nossas seções sindicais e que são fundamentais para a construção da história do nosso sindicato”, pontuou Jennifer.


Compuseram também a mesa da plenária deste domingo os diretores Fernando Corrêa Prado, Luiz Blume e a diretora Neila Nunes, como vice-presidente, 1° secretário e 2° secretária, respectivamente.


Encerramento A plenária de Encerramento do 14º Conad Extraordinário do ANDES-SN foi marcada pela aprovação das moções apresentadas pelos e pelas participantes e pela diretoria do Sindicato Nacional. A mesa foi composta pela presidenta do Sindicato Nacional, Rivânia Moura, pela secretária-geral Regina Ávila, pelo 1º tesoureiro, Amauri Fragoso, pela 1ª vice-presidenta da Regional Rio de Janeiro, Elizabeth Barbosa, e pela presidenta da Adunb SSind., Eliene Rocha.


As e os participantes expressaram repúdio ao processo de privatização da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), “Projeto de Valorização do Patrimônio da UFRJ”; e aos atos antidemocráticos e golpistas organizados pelo reitor da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), professor Janir Alves.


Foi registrado repúdio à demissão do militante Luiz Carlos Prates, o Mancha, por parte da General Motors (GM), que corresponde à atitude antissindical, e apoio ao dirigente. Bem como repúdio às graves ameaças, violações de direitos, injúrias e difamações cometidas contra o Comitê Sanitário de Defesa Popular que luta contra a privatização da água em Ouro Preto (MG).


Foram aprovadas ainda moção sobre o resultado das eleições presidenciais e posse do novo presidente Luis Inácio Lula da Silva, de solidariedade à professora Isabel Grassiolli, da Unioeste, que sofreu violência política de corte fascista na conjuntura eleitoral e de repúdio aos ataques preconceituosos, lesbofóbicos e homofóbicos, feitos por bolsonaristas à vereadora Amanda Gondim (PDT), da cidade de Uberlândia (MG); e em apoio à manutenção da vaga ocupada pela professora Jurema Oliveira ena área de literatura na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e pela visibilização das pautas antirracistas. As e os participantes também votaram algumas das moções apresentadas no plenária.


Na sequência, Regina Ávila fez a leitura da Carta de Brasília, que traz um resumo dos debates dos dois dias de 14º Conad Extraordinário. “Saímos daqui com a análise de que tivemos uma importantíssima vitória com a eleição de Lula contra o governo fascista de Bolsonaro, que, mesmo utilizando a máquina do Estado e um imenso esquema de corrupção pelo orçamento secreto, foi derrotado nas urnas. Nossa tarefa imediata e no médio prazo é derrotar o fascismo também nas ruas. Essa vitória é da luta que se manteve nas ruas pelo Fora Bolsonaro e contra a PEC 32, nos acampamentos indígenas, nas manifestações antirracistas, em defesa do meio ambiente e tantas outras que somadas ao desespero da fome, do desemprego, levaram a uma enorme vontade de mudar, de esperançar”, afirmou.


A Carta de Brasília também apontou que “é preciso seguir na luta em unidade com a classe trabalhadora pela defesa da democracia, dos nossos direitos por respeito ao resultado das eleições e, fundamentalmente, preparar para enfrentar a extrema-direita que está organizada e desafia a colocar nosso vigor político a serviço de um projeto societário, humano efetivamente emancipado”.


“A reorganização da classe está na ordem do dia. As ameaças à democracia e a barbárie instaladas são desafios dos mais importantes que temos pela frente e esse processo se apresenta num patamar avançado na luta de classes. O 41º Congresso do ANDES-SN, a partir da indicação deste Conad definirá os rumos para o avanço da unidade tão necessária em direção à destruição da ordem do capital e vamos vencer, em unidade porque temos o acúmulo enraizado na construção histórica que este Sindicato consolidou com protagonismo há 41 anos”, destacou.


“Seguiremos com o Plano de Lutas que a categoria vai aprovar para o próximo período com nossos princípios: um sindicato que se constrói e se fortalece pela base, com autonomia e independência de classe!”, conclui o documento.


Terminada a leitura, a presidenta do ANDES-SN, Rivânia Moura, declarou encerrado o 14º Conad Extraordinário do ANDES-SN, com a palavra de ordem "Com racismo, não há democracia!".


Fonte: ANDES-SN