Docentes da Uemg estão em greve por tempo indeterminado


Foto: Aduemg SSind.

Docentes da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) deflagraram greve por tempo indeterminado. Desde o dia 18 de março, a categoria paralisou as atividades, instalou o Comando Geral de Greve e tem realizado diversas ações para pressionar o governo mineiro a negociar com a categoria. As professoras e os professores da Uemg se juntam aos e às docentes da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em greve desde o dia 9 deste mês.


O não cumprimento do Acordo de Greve de 2016, a não continuidade das nomeações gerais, a precarização do trabalho docente, o descaso do governo com a profissão e o Regime de Recuperação Fiscal são alguns dos principais motivos que levaram a categoria à paralisação. Também está na pauta de reivindicações das e dos docentes a recomposição salarial de 71%, referente às perdas acumuladas de 2012 a 2021.


Na terça-feira (22), a Associação de Docentes da Uemg (Aduemg - Seção Sindical do ANDES-SN) realizou assembleia que deliberou pela continuidade do movimento paredista e aprovou um novo calendário de mobilização. Já na quarta (23), a categoria realizou atos em Belo Horizonte (MG), em frente à Assembleia Legislativa do estado, e nos campi da Uemg. A universidade tem unidades em 16 municípios mineiros.


Novos protestos estão previstos para os próximos dias. Também está na agenda uma reunião entre a Aduem SSind., a Associação de Docentes da Universidade de Montes Claros (Adunimontes SSind.) e a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais na próxima segunda (28).


Apoio Em nota, a diretoria nacional do ANDES-SN declarou total apoio à greve das e dos docentes da Universidade do Estado de Minas Gerais. “Os docentes da UEMG são contra o Regime de Recuperação Fiscal que o governo de Romeu Zema tenta impor, e entendem ser necessário o fortalecimento da categoria docente em regime de 40h e para os docentes substituto(a)s a isonomia salarial. Outra pauta central da categoria é a imediata nomeação do(a)s docentes aprovado(a)s em concurso, assim como a abertura de novos concursos. Assim como o(a)s professores e professoras da Unimontes que também estão em greve, outras categorias do estado de MG estão mobilizadas para barrar os ataques do governo Zema contra os serviços públicos. A diretoria do ANDES-SN reconhece a importância da luta da ADUEMG e de outros sindicatos mineiros para o fortalecimento da luta de toda a classe trabalhadora no Brasil”, afirma o documento.


Leia também: Docentes da Unimontes entram em greve por tempo indeterminado


Fonte: ANDES-SN