top of page

Evento em Foz do Iguaçu discute Universidade Pública, organização sindical e opressões na América


Com muita música e arte, tiveram início, nesta terça-feira (6), as atividades do evento do ANDES-SN na Universidade Federal de Integração Latino-americana (Unila), em Foz do Iguaçu (PR), que reúne o II Seminário Internacional Educação Superior na América Latina e Caribe e Organização dos/as Trabalhadores/as, o I Seminário Multicampia e Fronteira e o I Festival de Arte e Cultura: Sem fronteiras, a arte respira lucha (arte respira luta. Luta respira arte). A professora Kathiuça Bertollo, presidente da ADUFOP, está participando das atividades.


Os debates e apresentações artísticas e culturais ocorrem até sexta-feira (9) e abordarão a organização docente e as condições de trabalho da categoria na América Latina, os desafios da multicampia e das universidades de fronteiras e, ainda, o papel da arte e da cultura como amplificadoras das pautas da classe trabalhadora.


A abertura contou com as apresentações da cantora argentina Mariela Gerez, com uma homenagem à Martina Piazza Conde, estudante da Unila vitima de feminicídio em 2014, e da cantora Marina Araldi, estudante da Unila.


Educação e Organização Após a mesa de abertura aconteceu o debate “Educação Superior na América Latina e Caribe e Organização dos/as Trabalhadores/as”, com as explanações de Claudia Baigorria (Conadu-H/Argentina), Felipe Jesus Perez (Universidad Pedagógica Enrique Varona/Cuba), Nicolas Marrero (ADUR/Uruguay) e Osvaldo Coggiola (docente da USP e diretor do ANDES-SN).



As e os palestrantes trouxeram as experiências de seus países com a luta em defesa da Universidade Pública e a organização sindical. Abordaram as semelhanças dos desafios enfrentados por docentes na América Latina, evidenciando que o desmonte da Educação Pública é um projeto internacional do Capital.

Coggiola, também encarregado de Relações Internacionais do Sindicato Nacional, destacou a importância de assumir a tarefa de defender o caráter público, autônomo e democrático das universidades, para que estas deixem de ser instrumento de elitização da ciência e da cultura, e tenha seu centro na democratização do conhecimento.


“Não devemos pensar que estamos fazendo uma tarefa imediata. Estamos fazendo uma tarefa histórica. O centro dessa tarefa é o movimento dos trabalhadores organizados, ou seja, o movimento dos docentes organizados, o movimento de servidores técnico-administrativos organizados e de estudantes organizados. Esperamos que estes seminários sejam um passo dentro dessa articulação, primeiro sul-americana e depois latino-americana, que nos leve à uma luta de caráter internacional pelos objetivos expostos”, concluiu.


Universidade e Opressões Depois do intervalo, os trabalhos foram retomados com a apresentação do grupo teatral Coteco’i, com o texto Democracia. Na sequência, as e os mais de 130 participantes acompanharam a segunda mesa, com o tema “Universidade na América Latina e opressões da sociabilidade capitalista”, com as apresentações de Alhelí Cáceres (UNA PY - Sitrafacso/Paraguay), Federico Zelada (UMSA/Bolívia), Moisés Lobão (UFAC/Brasil) e Zuleide Queiroz (docente da Urca e diretora do ANDES-SN).


As e os palestrantes compartilharam as diferentes formas de opressão vivenciadas em suas regiões e o papel fundamental das universidades públicas como aliada na resistência e luta por justiça e reparação.


“De onde parte a luta do ANDES-SN? Vem das experiências que temos vivenciado nos GTs do nosso Sindicato, nas nossas lutas, nas nossas universidades, pois quando negras e negros, LGBTQIAP+, mulheres, mães solo, pessoas com deficiência adentram os espaços das universidades, essas experiências de racismo, assédio, violência de gênero, capacitismo são escancaradas em nossos espaços de sociabilidade”, destacou Zuleide Queiroz, 2ª vice-presidenta do ANDES-SN.


Na sequência, ela pontuou as diversas atividades e ações do Sindicato Nacional no combate às diversas formas de opressão. “Nós vamos continuar lutando, porque só a luta muda a vida”, reforçou Zuleide em sua fala final, citando Lélia Gonzales e Angela Davis, e destacando a importância da participação de pessoas não-negras na luta antirracista.


As atividades continuam até sexta-feira (9). Confira abaixo a programação dos próximos dias: Dia 07/12 - Unila/Jardim Universitário e Auditório Martina 9h - Ato em Defesa da Educação Pública e pela Integração Latino-americana, em frente à Ponte Internacional com Paraguai. 14h - Homenagem ao fotógrafo Rogério Ferrari 14h10 - 17h: Mesa 3 - Universidade, condições de trabalho e lutas sociais na fronteira: - Andreia Moassab (UNILA/Brasil) - José Sávio (UFAC/Brasil) - Natalia Rios (UNE-CDE/Paraguai) - Susana Cavalheiro de Jesus (UNIPAMPA/Brasil) 17h - 17h20: Apresentação musical do Duo Che Valle, com músicas do Paraguai e Argentina. Elenco folclórico Avances Internacional de Ciudad del Leste com a Maestra y Coreógrafa Soledad Álvarez 17h45 - 20h30: Mesa 4 - Universidade e lutas dos povos originários e afrodescendentes: - Camille Chalmers (PAPDA/Haiti) - Maria Raimunda (UFF/Brasil) - Senilde Guanaes (UNILA/Brasil) 22h - DJ Sthe comanda a pista de dança no Sudacas Bar

Dia 08/12 - Unila/Jardim Universitário e Auditório Martina 9h - Apresentação musical dos professores Marcelo Villena e Gastón da Sesunila 9h20 - 12h: Mesa 5 - Universidade, pandemia e mudanças tecnológicas na AL: uma nova forma de exclusão: - Amanda Moreira (UERJ/Brasil) - Ivan Lopez - (UNAM/México) - Javier Blanco (UNC/Argentina) - Juliana Melim (UFES/Brasil) 14h - Apresentação musical da professora Ana Lúcia Fontenele da ADUFAC 14h15 -18h: Mesa 6 - Os desafios das universidades públicas multicampi no Brasil. Painel com diversas seções sindicais: - UNEB - Milton Pinheiro - UEMG - Túlio Lopes - UFF - Kate Lane - UFAM - Valmiene Farias - IFRS - Claudio Fernández - Unioeste - Gilberto Calil Atividades culturais 19h - 10 anos do cinelatino com filme Eami da Paz Encina (Local: JL Cataratas) 20h30 - Debate sobre o filme (Local: Selina Bar) 21h30 - Sem fronteiras: a arte respira lucha (Local: Selina Bar) Piseras do Embauba - Mulheres do coco Herencia Latina - Grupo Musical de salsa

Dia 09/12 - Unila/Jardim Universitário e Mini-auditório Sala 203 9h - Apresentações artísticas do Festival de Cultura da Unila 9h30 - 11h: Mesa 7 - O papel da arte e da cultura na resistência de nossos povos da América Latina: - Félix Eid - professor de música da Unila - Priscila Duque - Artista do carimbó de Belém do Pará - Priscila Rezende - artista visual e performer de Belo Horizonte 11h - 12h30: Apresentações artísticas Grupo Mylpha de Música e dança latino-americana Priscila Duque - Performance com tambores do carimbo Priscila Rezende – Performance 16h - 22h: Programação do Festival de Cultura da Unila e I Festival de Arte e Cultura do ANDES-SN 19h - Show da Caravana Tonteria, de Leticia Sabatella e músicos (Local: Auditório Martina) 22h - Festa final no espaço cultural A Casa.


Fonte: ANDES-SN - com acréscimo ADUFOP

Comments


bottom of page