Nota conjunta sobre as atividades remotas nas instituições públicas de ensino


Em meio à pandemia do novo coronavírus, com a morte de centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo, o Brasil ultrapassa os EUA no número em 24 horas e se torna o epicentro mundial da pandemia. Neste cenário, de extrema fragilidade de milhões de brasileiras e brasileiros, principalmente das classes sociais mais vulneráveis, o governo Bolsonaro continua colocando o mercado em primeiro lugar e a saúde da população em último, coerente com a postura de toda sua gestão: atacando a autonomia das Universidades, Institutos e CEFETs; estrangulando os recursos; incentivando o ódio ao conhecimento e à ciência; e aprofundando o sucateamento do SUS, sem recursos também devido à Emenda Constitucional do Teto dos Gastos (EC nº 95/2016).


Num contexto político devastador para Educação e, particularmente, para a Educação Pública, a pressão do governo Bolsonaro e Zema pela implantação das aulas remotas contribui para o acirramento da desigualdade brasileira e precariza ainda mais o ensino, beneficiando as classes médias e altas, de maioria branca e moradora de centros urbanos que estudam em escolas privadas e com acesso a recursos tecnológicos. Conforme dados do próprio Inep, um em cada três estudantes (33,5%) que tentaram vaga no ensino superior, nos últimos cinco anos, por meio do Enem, não tem acesso à internet e a dispositivos, como computador ou celular, que permitem, por exemplo, aprender por meio de educação a distância (EaD).


Até mesmos os estudantes com acesso à internet são prejudicados, uma vez que as atividades de ensino remotas são realizadas de maneira improvisada, despreparada e nem sempre são embasadas em boas práticas e conhecimentos que regem o EaD. Além do mais, o ensino remoto não contempla a sociabilidade, fundamental para o desenvolvimento do indivíduo e promove a intensificação do trabalho docente.


O governo brasileiro tem se desdobrado para forçar o retorno das aulas, transformando um período em que a população deveria estar sendo preservada e cuidada, em um período em que a população é responsabilizada pela falência de todo o Estado. Ao não encontrar saídas para o retorno presencial e, ao mesmo tempo, valendo-se da oportunidade de implantar sua intenção anterior, de colocar a Educação como um todo nas mãos de grandes grupos empresariais - o que transforma o direito à formação adequada e de qualidade, dever do Estado, em um investimento não social, mas econômico.


Diante de uma atuação negacionista e medíocre do governo, que não salva vidas nem a economia e leva a diversas crises políticas e institucionais, cabe destacar dois aspectos sobre a defesa de certos setores pelas aulas em ambientes virtuais. O primeiro é a pressão ligada à burguesia nacional que precisa acelerar a volta a uma ‘normalidade’ impensável das atividades econômicas. Estudantes em casa impedem mães e pais de saírem para vender suas forças de trabalho. Esse discurso é respaldado e insuflado pela campanha assassina e genocida de Bolsonaro que, com o objetivo de manter sua base de apoio, coloca a economia à frente da vida, indiferente ao fato de o Brasil estar próximo de se tornar o epicentro da pandemia no mundo. O segundo, que se escancarou ao longo de 2019, é a forte presença de grupos privados de educação no governo Bolsonaro. Há diversos apontamentos que mostram como a educação brasileira é objeto de desejo desses grupos que pretendem mercadorizar a nossa educação e usam da pandemia um ensaio para o projeto Future-se. Esses aspectos evidenciam o domínio ideológico de uma elite que almeja o sucateamento da Educação como um todo e das instituições públicas.


Em um momento de brutal crescimento do número de casos de COVID-19 é justo agravar ainda mais todo esse quadro com a continuidade de um calendário acadêmico de modo improvisado, sem garantia de qualquer vantagem para a formação de nossas e nossos estudantes?


A ADUFOP, o ASSUFOP e o SINASEFE IFMG reafirmam que a preocupação central das entidades, no momento, é o combate ao COVID-19 e o cuidado com o conjunto da população, sem deixar de defender o caráter público das universidades e instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.


Nota da ADUFOP contra o Ensino Remoto proposto pela reitoria da UFOP

Nota ANDES-SN: Notas preliminares sobre EaD e trabalho remoto do(a)s docentes em tempos de pandemia

Nota do SINASEFE IFMG: Nota à comunidade


Horário de funcionamento:
De segunda a sexta, das 9h às 17h.


Telefone: (31) 3551-5247
E-mail: secretaria@adufop.org.br

comunicacao@adufop.org.br

Endereço: R. Antônio José Ramos, 65 - Bauxita, Ouro Preto - MG, 35400-000, Brasil

  • Preto Ícone YouTube

Desenvolvido pela Assessoria de Comunicação ADUFOP | 2018