Nota da ADUFOP sobre o rompimento crime da Vale em Brumadinho-MG - Do luto à luta!

A região do quadrilátero ferrífero em que a UFOP tem sede, consequentemente em que a ADUFOP se constitui e atua enquanto entidade sindical é marcada pela atividade produtiva da mineração, especialmente de minério de ferro. Esse contexto produtivo tem marcas que vem da escravidão e do período colonial. Sob o modo de produção capitalista, em que o país assume a condição de país dependente e subordinado às economias centrais, a condição de exploração da força de trabalho e de destruição da natureza se amplia e se agrava a cada dia.


O histórico de violências e violações sobre os e as trabalhadoras da mineração vai desde a questão do aumento dos turnos/jornadas de trabalho, o pagamento de baixos salários, a iminência do desemprego, os altos índices de acidentes de trabalho, dentre outras consequências danosas que se ampliam em termos de abrangência como é o caso dos rompimentos criminosos de barragens de rejeitos.


Em Mariana-MG foi no dia 05 de novembro de 2015, em Brumadinho-MG foi no dia 25 de janeiro de 2019. Hoje, vivenciamos a dolorosa marca de 02 anos desse crime da Vale em nossa região.


Foram ceifadas 272 vidas de trabalhadores e trabalhadoras, de pessoas da comunidade. Até hoje as buscas por corpos ainda permanecem. Os danos no meio ambiente são da ordem da contaminação das água, do solo, da fauna e da flora ao longo da bacia do Rio Paraopeba. O processo de reparação é conduzido sem a efetiva participação das famílias das vítimas. Além de tudo, temos um contexto em que o governo de Minas (ZEMA) é conivente com o crime e com a mineradora responsável, a Vale.


O contexto de luta e resistência é árduo. A ADUFOP reconhece e valoriza a importante atuação dos movimentos sociais e assessorias técnicas que atuam conjuntamente com os atingidos direta e indiretamente pelo rompimento criminoso.


A ADUFOP se alia a este posicionamento de luta e resistência e neste dia tão doloroso, reafirma a sua posição de estar ao lado da classe trabalhadora nas lutas, seja dentro ou fora do âmbito da universidade. Nesse sentido, reivindica e busca contribuir para um movo modelo de mineração em que a atividade produtiva sirva para atender as demandas e necessidades da classe trabalhadora e não os interesses e lucros dos capitalistas. Lutamos para que a vida esteja acima dos lucros!


#Brumadinho2Anos

#NAOFOIACIDENTE


Diretoria da ADUFOP, 25 de janeiro de 2021.