Por reajuste, servidores e servidoras do Ceará acampam em frente ao Palácio do governo


Foto: Sinduece SSind

Docentes das universidades estaduais do Ceará e demais servidoras e servidores públicos do estado montaram acampamento, desde a noite de quinta-feira (6), em frente ao Palácio da Abolição, em Fortaleza, para reivindicar uma reunião com a governadora Izolda Cela para discutir a reposição salarial do funcionalismo cearense. De acordo com o Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos Estaduais do Ceará (Fuaspec), que organiza a manifestação, o Executivo deve enviar ao Legislativo, nesta segunda-feira (10), o projeto de lei da Lei Orçamentária Anual (LOA).


“Nós somos servidores/ servidoras públicos da Educação, Ciência e Tecnologia, da Saúde, Segurança, Infraestrutura, Fazenda, Trânsito e demais áreas do serviço público, junto com Movimentos Populares do Ceará, estamos aqui acampados e acampadas há cinco dias na entrada do Palácio da Abolição reivindicando uma audiência pública com a governadora Izolda Cela, para discutir a nossa reposição salarial já que acumulamos perdas de 36% durante esse governo”, explica Sambara Paula Ribeiro, 1ª vice-presidenta da Regional Nordeste 1 do ANDES-SN e docente da Universidade Estadual do Ceará (Uece). De acordo com a diretora do Sindicato Nacional, as categorias também cobram reuniões para discutir pautas específicas de cada segmento e também as pautas dos movimentos populares no enfrentamento da fome, da falta de água no sertão, da falta de moradia, de urbanização e de equipamentos comunitários.


“Nós fizemos um ato na frente do Palácio da Abolição na quinta-feira (6) e, diante da indiferença do governo, resolvemos acampar ali mesmo, na entrada do Palácio do governo. Na sexta-feira, fomos chamados para conversar com o Secretário de Planejamento, mas não trouxe nenhuma informação nova e nenhum indicativo de índice de reposição salarial. Ficou, somente, o compromisso de agendar audiência com a governadora”, contou.


Conforme Sambara, desde então, servidores e servidoras estão dormindo, acordando e fazendo suas refeições no chão da calçada na entrada do Palácio. “E durante todo esse tempo, só temos contato com os policiais que fazem a segurança do local. Toda estrutura da ocupação está sendo mantida pela solidariedade dos servidores e das servidoras, bem como das Associações e Sindicatos das categorias”, acrescentou.


A 1ª vice-presidenta da Regional Nordeste 1 do ANDES-SN afirmou, ainda, que a mobilização seguirá firme até que a governadora receba as e os representantes do funcionalismo cearense. “Para amanhã [11 de outubro], estamos chamando todas as categorias de servidores e servidoras para um ato no Palácio da Abolição para fortalecer a pressão”, convocou.


Fonte: ANDES-SN