Primeiro dia do 40º Congresso do ANDES-SN teve lançamento da revista Universidade e Sociedade

Primeiro dia do 40º Congresso do ANDES-SN teve lançamento da revista Universidade e Sociedade, música e poesia


Já no primeiro dia do 40º Congresso do ANDES-SN, nesse domingo (27), as e os participantes puderam conhecer um pouco da cultura porto-alegrense com apresentações musicais no início das plenárias de Abertura e do Tema 01. Durante a cerimônia inicial do evento, também foi lançada a edição 69 da revista Universidade e Sociedade, publicação semestral do Sindicato Nacional.


Samba, conga e cavaquinho


A abertura do 40º Congresso do ANDES-SN, com tema central “A vida acima dos lucros”, contou com a irradiante performance da artista Pâmela Amaro, que é professora de teatro e sambista. A primeira apresentação “Bença” saudou a ancestralidade, a quem os povos recorrem, segundo a compositora, quando necessitam de ânimo e coragem. O público acompanhou o instrumento de percussão, chamado tumbadora ou conga, com palmas.


A segunda música “Veneno do Café”, composição de Pâmela no cavaquinho, foi composta ao machismo naturalizado, inclusive nas letras de samba. O refrão conquistou as e os congressistas: “Nega me traz o café, ele gosta de dizer, botei no café meu veneno e dei pro santo benzer”. A artista foi muito aplaudida ao sentenciar: “não somos empregadas, somos companheiras, se todo mundo colaborar em casa, a mulher não fica sobrecarregada”.


A sambista porto-alegrense encerrou com a música de Leci Brandão, “Zé do Caroço”, que roga o surgimento do poder popular e de novos líderes, invocando o poder transformador de professores e professoras. O brado “Fora Bolsonaro” foi repetido entusiasticamente pelo público. Pâmela Amaro lança seu disco novo, “Samba às avessas”, no próximo dia 13 de abril.


Políticas educacionais: desafios e dilemas

Durante a Plenária de Abertura, a comissão executiva da revista Universidade e Sociedade lançou o número 69 da publicação com o título “Políticas educacionais: desafios e dilemas”. A revista é um importante instrumento de divulgação e formação do Sindicato Nacional.


A publicação, distribuída a todas e todos participantes e disponível também em versão digital, traz sete artigos contemplando temas como política educacional e adoecimento docente. Segundo Jennifer Webb Santos, 3ª tesoureira do ANDES-SN que integra a comissão, a arte que ilustra a capa da revista representa um descortinar, apresentando a possibilidade de superação da obscuridade imposta pelo atual governo federal, que nesses últimos dois anos aprofundou a crise do capitalismo.


Luiz Blume, 3º secretário do Sindicato Nacional e também da comissão, citou a continuidade do trabalho da revista de acordo com o cronograma estabelecido em meio à pandemia da covid-19, através da publicação dos números 67 e 68, em janeiro e em julho de 2021, respectivamente. Sendo que, este último veiculou na contracapa uma homenagem a Marcos Goulart de Souza, trabalhador do ANDES-SN que foi vítima do coronavírus.


As e os participantes do 40º Congresso foram convidados Neila Souza, 1ª vice-presidenta da Regional Planalto e integrante da comissão executiva da Universidade e Sociedade, a enviarem artigos e resenhas para a edição 70 da revista, que tem como tema “Retorno presencial e pandemia: desafios do trabalho docente no contexto das transformações educacionais”. O prazo é 12 de abril e a submissão deve ser feita através do email andessp@andes.org.br .


Ao finalizar a apresentação, Neila leu o poema “Vermelho de tinta, sangue e bandeira”, da professora Ana Karen, da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), publicado na edição 69 da revista. Acesse aqui a Revista Universidade e Sociedade 69.


Slam de poesia aborda racismo


A abertura dos trabalhos na tarde de domingo contou com a poesia falada da dupla de slammers gaúchos Natália Pagot, que é mestranda em Educação na UFRGS, e @Janove999, codinome de Warley Pires, bacharelando em História no campus Vale da UFRGS em Porto Alegre.


Ambos contaram ao público do 40º Congresso do ANDES-SN que o Slam é uma competição de poesia, também chamada “batalhas de versos”, surgida nos Estados Unidos nos anos 1980 e que, desde 2010, se tornou uma das principais culturas de rua do Brasil. Segundo Janove, autor de pesquisas e artigos publicados sobre o tema, o Slam é forte igualmente no Rio Grande do Sul.


Na capital gaúcha, as apresentações costumam acontecer em ambientes abertos, como no viaduto do Brooklin e no Largo Zumbi dos Palmares, locais próximos ao Auditório Araújo Viana, onde acontece o evento.


As composições dos slams declamadas por Natália e por Janove retrataram experiências de racismo impostas no dia-a-dia, especialmente dentro das universidades públicas. Segundo eles, o preconceito e a discriminação afligem desde estudantes negros e negras até funcionários e funcionárias terceirizados da limpeza e da segurança. “Sem oi, por favor, como tu tá; sabem o nome dos cães (em estado de abandono, com frequência socorridos por grupos de professores e alunos), os cães recebem mais bom dia, se sentem mais à vontade...”.


O público foi convidado a interagir com Natália e Janove, respondendo com a frase “poetas vivos!”, aos versos “é o terrorismo lírico, revidando e resistindo!” recitado durante a batalha de poemas.


Segundo Natália, a poesia falada consiste numa prática presencial que se caracteriza pela fala e escuta para a troca de referenciais em geral e teóricos, desde Emicida a Frantz Fanon, filósofo do colonialismo e autor do clássico “Pele negra, máscara branca”.


“É educação, formação, porque projetos de vida se criam a partir do Slam,” disse a slammer que integra o coletivo “Poetas Vivos” desde 2018, realizando saraus, oficinas de escrita criativa e autoria de publicações como o livro, que está à venda durante o evento, “Nós, versos de liberdade e melanina” e o fanzine “Fique vive”. “O slam tem um poder mais pulsante que a literatura para nós, vem da linguagem dos jovens e sintetiza coisas complexas,” definiu @Janove999, cujo trabalho pode ser acompanhado pelas redes sociais.


40º Congresso do ANDES-SN Com o tema central "A vida acima dos lucros!", o 40º Congresso do ANDES-SN reúne 642 participantes de 89 seções sindicais, entre delegados, delegadas (445), observadores, observadoras (146), convidados e convidadas (17), e diretores e diretoras (34) do Sindicato Nacional. O evento acontece de 27 a 31 de março, no auditório Araújo Vianna, na cidade de Porto Alegre (RS). No dia 1 de abril, as e os docentes participarão do ato "Pelas liberdades democráticas e em defesa dos serviços públicos", em conjunto com outras categorias de trabalhadores e trabalhadoras. O protesto encerra a programação do 40º Congresso do ANDES-SN.


*por Eliege Fante (ANDES/UFRGS), com edição e acréscimos do ANDES-SN