Professores e professoras das Ueba fazem paralisação por retomada de negociação com governo


Ato na Uefs. Foto: AdufsBA SSind.

Professoras e professores das quatro Universidades Estaduais da Bahia paralisaram as suas atividades por 24 horas, na terça-feira (31), e fizeram atos locais nas cidades de cada instituição. Aprovada em assembleias, a paralisação integra o calendário de lutas da campanha salarial da categoria, que atualmente reivindica a retomada da mesa de negociação permanente com o governo estadual e reajuste salarial acima da inflação. Com o objetivo de chamar atenção do governo e dialogar com a sociedade, no período da manhã, as e os docentes protestaram nas cidades de Salvador, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Jequié, Itapetinga e Ilhéus. Foram realizados cafés da manhã seguidos de panfletagem e debates sobre conjuntura, fixação de faixas, ocupação das redes sociais, protestos em frente a órgãos de Educação, além da participação em programas de rádios e TV locais, para expor os problemas que impactam a categoria docente e a educação superior pública. As quatro universidades possuem 280 cursos de graduação, 180 cursos de pós-graduação e 50 mil estudantes.


Café da manhã com debate na Uesb. Foto: Adusb SSind.

Pela tarde, representantes das seções sindicais do ANDES-SN protocolaram na Secretaria de Educação do Estado da Bahia, pela décima vez, um pedido de reabertura do diálogo com o governo Rui Costa (PT). Há mais de 800 dias, a mesa de negociação com o movimento docente foi interrompida. A categoria havia enviado, ainda na semana passada, outro ofício para o governo, mas não obteve retorno. A mesa de negociação foi acordada durante a greve de 2019 entre docentes e governo do estado e foi uma das condições para a suspensão do movimento grevista.


Além disso, o dia de paralisação também debateu com a comunidade acadêmica os problemas provenientes da atual conjuntura, como adoecimento psíquico que atinge estudantes, docentes e integrantes do corpo técnico-administrativo. Assédio moral, insuficiência de programas de permanência estudantil e evasão marcam, cada vez mais, o cotidiano das universidades.


Panfletagem na Uesc. Foto: Adusc SSind.

Pauta Em dezembro do ano passado, docentes que compõem o Fórum das ADs protocolaram, junto ao governo estadual da Bahia, a pauta de reivindicações da categoria que atua nas universidades estaduais baianas para o ano de 2022. O Fórum reúne as seções sindicais do ANDES-SN nas universidades do Estado da Bahia (Uneb), Estadual de Feira de Santana (Uefs), Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e Estadual de Santa Cruz (Uesc). Na pauta consta, além da reabertura imediata das negociações, a defesa das universidades estaduais baianas, dos direitos trabalhistas, do Estatuto do Magistério Superior e de um reajuste que contemple a corrosão salarial de cerca de 50% dos últimos anos, entre outros pontos. Fonte: ANDES-SN Com informações das seções sindicais do ANDES-SN na Bahia e Fórum das ADs. Foto de capa: Adusc SSind.