top of page

Segundo dia de evento na Unila tem debate sobre multicampia, povos originários e afrodescendentes


O segundo dia das atividades do ANDES-SN em Foz do Iguaçu (PR), nesta quarta-feira (7), começou com um ato na Ponte Internacional da Amizade, que liga o Brasil e o Paraguai, em defesa da educação pública e pela integração latino-americana. O clima de luta e de integração de povos e culturas marcou também os debates. O evento reúne o II Seminário Internacional Educação Superior na América Latina e Caribe e Organização dos/as Trabalhadores/as, I Seminário Multicampia e Fronteira e o I Festival de Arte e Cultura: Sem fronteiras, a arte respira lucha (arte respira luta. Luta respira arte), que acontecem de forma intercalada, de 6 a 9 de dezembro.


Fronteiras e Multicampia A terceira mesa teve como tema "Universidade, condições de trabalho e lutas sociais na fronteira", com Andreia Moassab (Unila), Susana Cavalheiro de Jesus (Unipampa) e José Sávio (UFAC e diretor do ANDES-SN). As explanações abordaram as várias particularidades, desafios e problemas das universidades de fronteira e multicampi.


Foram apontadas desde as dificuldades de deslocamento da comunidade acadêmica, especialmente estudantil, e a constante migração de quadros docentes, até as particularidades da relação com povos originários e de outros países, que nem sempre são bem acolhidos nas instituições. As e os participantes relataram ainda a brutalidade da convivência com a violência de grupos criminosos e conservadores, com a forte presença do agronegócio, da mineração que ameaçam a população local e docentes, que desenvolvem projetos de extensão e de pesquisa em defesa dos povos originários, com movimentos sociais ou de temas contrários aos interesses desses grupos.


“Enquanto temos colegas debatendo a inclusão das populações tradicionais, que militam nesse campo da inclusão dessas populações em nossos projetos políticos pedagógicos, há professores que continuam ajudando a fazer projetos de impacto ambiental, construir estradas em terras indígenas. A universidade não está apontada para um rumo da inclusão. Temos uma série de disputas, um quadro de conservadores”, pontuou José Sávio, 2º vice-presidente da Regional Norte I do ANDES-SN. “Estamos diante de uma perspectiva de certa insegurança de como vamos sobreviver em uma região que está em disputada enquanto região de tantas fronteiras”, acrescentou.


Arte e Cultura Após o debate, as e os cerca de 150 participantes assistiram as apresentações do Duo Che Valle, com músicas do Paraguai e Argentina, e do Elenco folclórico "Avances Internacional de Ciudad del Leste", com a maestra y coreógrafa, Soledad Álvarez.


Povos Originários e Afrodescendentes Na sequência, aconteceu a quarta mesa de debate, com o tema "Universidade e lutas dos povos originários e afrodescendentes", com Camille Chalmers (PAPDA/Haiti), Maria Raimunda (UFF/Brasil) e Senilde Guanaes (UNILA/Brasil). As apresentações trouxeram reflexões profundas sobre a presença dos povos originários e afrodescendentes nas universidades, a necessidade de mudanças estruturais na grade curricular e nas regras e epistemologias das instituições de ensino.


Foi reforçada ainda, em todas as falas, a necessidade de lutar contra o aprisionamento e elitização da produção de conhecimento nas universidades, assim como contra o apagamento dos sujeitos das comunidades quilombolas, indígenas, ribeirinhas produtores desses conhecimentos e tecnologias.


Também foi ressaltada a importância da integração das lutas entre os povos da América Latina e o Caribe e de criar laços de intercambio entre os movimentos dessas regiões, em especial daqueles ligados à educação, e de se aplicar na luta cotidiana a Pedagogia da Revolução.


Camille Chalmers, que professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Estatal do Haiti e coordenador da PAPDA - Plateforme Haïtienne de Plaidoyer pour un Développement Alternatif, destacou que o sistema de opressão e de monopólio de produção de conhecimento e tecnologias e da difusão desses exclui, nega e inferioriza uma grande parte da sociedade mundial. “É muito importante, como passo estratégico, organizar o diálogo civilizatório e criar uma nova epistemologia a partir de quatro fraturas desse sistema opressor”, ressaltou.


Ele citou como fraturas a relação do sujeito com o mundo, que resulta no individualismo, a relação entre homens e mulheres, baseada na superexploração das mulheres, da sociedade com a natureza, com o impacto ambiental e dos “civilizados” com os “bárbaros”, que sustenta a exclusão de parcela significativa da população das universidades.


“Em todos os processos de luta, sobretudo a partir do século 20, o sistema educativo, em particular as escolas secundárias e universitárias, foram atores importantes de questionamento e resistência”, lembrou, ressaltando a importância das lutas travadas pelos movimentos sindicais e estudantis.


Chalmers recitou, como referência, uma reflexão do cubano José Martí. "Esta é a América, a terra dos rebeldes e dos criadores, e aqui se sente íntegro, sangrando daquilo que ela sangra e amando seus amores, aquele que nunca abusa das palavras solenes".


As atividades deste segundo dia serão encerradas com a DJ Sthe, que comanda a pista de dança no Sudacas Bar. O evento segue até o sexta-feira, dia 9. Confira a programação:

Dia 08/12 - Unila/Jardim Universitário e Auditório Martina 9h - Apresentação musical dos professores Marcelo Villena e Gastón da Sesunila 9h20 - 12h: Mesa 5 - Universidade, pandemia e mudanças tecnológicas na AL: uma nova forma de exclusão: - Amanda Moreira (UERJ/Brasil) - Ivan Lopez - (UNAM/México) - Javier Blanco (UNC/Argentina) - Juliana Melim (UFES/Brasil) 14h - Apresentação musical da professora Ana Lúcia Fontenele da ADUFAC 14h15 -18h: Mesa 6 - Os desafios das universidades públicas multicampi no Brasil. Painel com diversas seções sindicais: - UNEB - Milton Pinheiro - UEMG - Túlio Lopes - UFF - Kate Lane - UFAM - Valmiene Farias - IFRS - Claudio Fernández - Unioeste - Gilberto Calil Atividades culturais 19h - 10 anos do cinelatino com filme Eami da Paz Encina (Local: JL Cataratas) 20h30 - Debate sobre o filme (Local: Selina Bar) 21h30 - Sem fronteiras: a arte respira lucha (Local: Selina Bar) Piseras do Embauba - Mulheres do coco Herencia Latina - Grupo Musical de salsa

Dia 09/12 - Unila/Jardim Universitário e Mini-auditório Sala 203 9h - Apresentações artísticas do Festival de Cultura da Unila 9h30 - 11h: Mesa 7 - O papel da arte e da cultura na resistência de nossos povos da América Latina: - Félix Eid - professor de música da Unila - Priscila Duque - Artista do carimbó de Belém do Pará - Priscila Rezende - artista visual e performer de Belo Horizonte 11h - 12h30: Apresentações artísticas Grupo Mylpha de Música e dança latino-americana Priscila Duque - Performance com tambores do carimbo Priscila Rezende – Performance 16h - 22h: Programação do Festival de Cultura da Unila e I Festival de Arte e Cultura do ANDES-SN 19h - Show da Caravana Tonteria, de Leticia Sabatella e músicos (Local: Auditório Martina) 22h - Festa final no espaço cultural A Casa.


Fonte: ANDES-SN

Comments


bottom of page