12º Conad Extraordinário do ANDES-SN começa nesta sexta-feira (2)


Teve início na manhã desta sexta-feira (2), o 12º Conad Extraordinário do ANDES-SN, que tem como tema “Em defesa da vida, da educação pública e dos serviços públicos: resistir é preciso!”. O evento ocorre em formato virtual, em decorrência da pandemia da Covid-19, e será realizado também nos dias 9 e 16 de julho de 2021.


Rivânia Moura, presidenta do ANDES-SN, conduziu a mesa de abertura do 12º Conad Extraordinário com Regina Ávila e Amauri Fragoso, secretária-geral e 1ª tesoureiro do Sindicato Nacional, respectivamente. “O 12º Conad Extraordinário acontece em um momento de pandemia, da crise do Capital e de um profundo ataque à vida da classe trabalhadora do nosso país. O ANDES-SN tem a tarefa histórica de continuar firme na luta da classe trabalhadora, em defesa da Educação Pública, contra todas as formas de exploração e opressão. O tema deste Conad expressa a urgência dessa luta, em defesa da vida, da educação pública e dos serviços públicos”, disse a presidenta do Sindicato Nacional.


A plenária contou com a participação de 251 participantes, sendo 66 delegados e delegadas, 138 observadores e observadoras, 33 diretores e diretoras, 14 convidados e convidadas. Representantes de 76 seções sindicais do ANDES-SN participam do evento.


Paulo Barela, representante da CSP-Conlutas, saudou as e os presentes e afirmou que o país vive uma conjuntura difícil agravada pela pandemia da Covid-19, que já vitimou mais de 520 mil pessoas, devido à política negacionista do presidente da República, Jair Bolsonaro.


“Já poderíamos estar em outro patamar em relação a essa doença, caso o governo tivesse comprado as vacinas em 2020. Nós estamos vendo as mortes de milhares da nossa classe pois são as e os trabalhadores que mais morrem nessa pandemia. Além disse, ainda vivemos uma situação de crise econômica profunda, com inflação recorde, com aumento do preço do gás, do arroz, do feijão e da carne, que quase sumiu do prato da classe trabalhadora e um desemprego que está chegando a 14,5% da população economicamente ativa. E o grande responsável por essa situação que vivemos no país é o governo federal, que também tem como cúmplices os governantes nos estados e municípios”, disse. “Nesse momento, a unidade precisa ser feita com todos aqueles que querem o Bolsonaro fora do poder. É unidade de ação, pontual, para derrotar o governo e construir outra saída. E para além das mobilizações, é preciso construir uma Greve Geral sanitária no nosso país, parar as produções, que é quando o Capital sente mais”, completou.


Sirlene Maciel, integrante do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta por Direitos e Liberdades Democráticas, ressaltou a importância do ANDES-SN para a luta diante da conjuntura. “Vivemos um momento de 520 mil mortes de um governo genocida e criminoso, como revelado pela CPI, que tem nas suas costas ainda ataques aos povos indígenas, as mulheres, aos negros e negras desse país. Estamos enfrentando um governo que tem políticas de extrema-direita, que assassinam o nosso povo e, junto com isso, a crise econômica, o desemprego, o aumento dos preços dos alimentos. Uma política de privatizações e de ataques aos direitos da classe trabalhadora e nós precisamos resistir. Nesse sentido, é necessário a unidade de todas as entidades sindicais, movimentos populares e estudantis, e centrais sindicais para barrar essa medidas”.


Carlos Magno Sampaio, da coordenação-geral do Sinasefe, ressaltou a importância do tema do Conad. “É fundamental nesse momento unificar forças e fazer enfrentamento e chamar todas e todos os trabalhadores para a luta. Já são mais de 500 mil mortes, que aumenta a cada dia, e o governo dobra a aposta e em paralelo ameaça a democracia com essa trama de golpes e mais golpes. O Sinasefe está construindo conjuntamente com outras entidades o movimento em defesa das instituições públicas, da soberania, da democracia do país e pelo Fora Bolsonaro e todo esse governo fascista e golpista”.


Para Eduardo Campos, da União Nacional dos Estudantes (UNE), o país vive um dos seus piores momentos. “São milhões de brasileiros e brasileiras sem comida pela falta do auxílio emergencial e de emprego. Sou do Rio de Janeiro e passamos por momentos delicados decorrentes de guerra do Estado contra o povo preto. Na área da Educação, as universidades estão sendo atacadas e estão com dificuldades para fechar o orçamento, mas elas têm dado uma aula de cidadania nesta pandemia, com algumas delas, desenvolvendo as suas próprias vacinas. Só juntos na luta é que a gente fará o acúmulo de forças e estaremos nas ruas para derrotar o governo Bolsonaro”, ressaltou.


Revista Universidade e Sociedade

A edição 68 da revista Universidade e Sociedade (U&S) foi lançada durante o 12º Conad Extraordinário do ANDES-SN. A publicação semestral trouxe como tema “40 anos do ANDES-SN: luta e resistência” e dezenas de contribuições das e dos docentes que construíram a sua história. A revista traz ainda em suas 240 páginas uma colagem com as 70 capas das edições passadas, charge, poesia, entrevistas, depoimentos de ex-presidentes e presidentas do Sindicato Nacional e, ainda, uma homenagem ao ex-funcionário do ANDES-SN, Marcos Goulart de Souza, e as milhares de vítimas da Covid-19 no país.


Segundo Luiz Henrique Blume, 3º secretário do ANDES-SN e da editoria executiva da Universidade e Sociedade, a revista marca “40 anos de muita luta e resistência do ANDES-SN e também a comemoração dos 30 anos da U&S, que é uma publicação de qualidade de paginação, editoração e qualidade acadêmica”.


Neila de Souza, 1ª vice-presidenta da Regional Planalto, da editoria executiva da U&S, falou da importância da publicação como instrumento da luta docente há 30 anos. “É mais um momento de reivindicar a educação pública como direito e dizer ‘Fora Bolsonaro e Mourão’”, destacou.


Jennifer Santos, 3ª tesoureira do ANDES-SN, também da editoria executiva da revista, fez um chamado a todos e todas, presentes no Conad, a acessar a edição 68. "Convidados vocês a folhearem virtualmente a revista no site. Estamos construindo essa edição comemorativa desde janeiro e esse trabalho só fará sentido se, de fato, todos nós valorizarmos aquilo que expressa e sintetiza nessa revista, que é a nossa luta”.


Exposição fotográfica

Durante o 12º Conad Extraordinário, a Comissão dos 40 anos do ANDES-SN lançou a exposição fotográfica virtual dos 40 anos do ANDES-SN em 40 imagens, que conta história da entidade nas últimas décadas. Uma exposição com fotografias e cartazes históricos, na sede do sindicato também está em construção, assim como outros materiais que contam a história da entidade, como podcats e vídeos.

A exposição pode ser conferida aqui.


Para Francieli Rebelatto, 2ª secretária do ANDES-SN e participante da comissão, é importante fortalecer o espaço de memória do Sindicato Nacional. "A exposição virtual traz imagens de luta que representam um pouco da nossa história em greves, assembleias, reuniões, Conads, Congresso, que são momentos emblemáticos e importantes desses 40 anos. Esse site também traz um espaço para um programa novo de comunicação que é o ‘Memória Viva’, com relatos das e dos professores, das e dos funcionários do sindicato, que compõe a história da entidade. Trouxemos para o site também a Linha do Tempo, criada pela antiga diretoria, para que a gente acompanhe de perto as ações e eventos realizados pelo sindicato”, explica.


Ao final da mesa de abertura, Rivânia Moura agradeceu a participação das e dos convidados da plenária e destacou a importância da construção das lutas em unidade não só no âmbito da Educação, como também as lutas mais gerais de enfrentamento ao governo Bolsonaro. “Só a luta da classe trabalhadora organizada pode nos trazer vitórias. É a força do movimento das ruas que pode impor não somente a derrota ao governo Bolsonaro, mas principalmente nos impulsionar o esperançar, e a vontade de mobilização e de luta”.


Após a abertura, foi realizada a plenária de instalação, com aprovação do regimento, do cronograma e da pauta do 11º Conad Extraordinário do ANDES-SN. No período vespertino, as e os docentes debatem ainda conjuntura na plenária do Tema I.


Fonte: ANDES-SN