8M – Dia Internacional de Luta da mulher trabalhadora!



Hoje é dia de luta! Dia de pautarmos as questões que perpassam a vida das mulheres trabalhadoras!

Enquanto mulheres latino-americanas, brasileiras e mineiras, todos os dias são dias de luta e resistência! Nesse continente, país e estado assolados pela lógica da acumulação da riqueza nas mãos de poucos em detrimento da pobreza e da miséria na vida de muitos, nós, mulheres, lutamos todos os dias pela nossa existência!

Lutamos e denunciamos a fome e a carestia que permanecem em nossa sociedade e fazem com que falte comida nos pratos de nossos filhos e filhas.

Lutamos e denunciamos o patriarcado, o machismo e a misoginia que insistem em nos reduzir e desconsiderar diante da figura masculina.

Lutamos e denunciamos os diversos tipos de violências a que somos submetidas cotidianamente: sexual, obstétrica, psicológica, financeira, física, etc.

Lutamos e denunciamos que a natureza e os bens naturais comuns são destruídos por este modo de produção em vigência, o capitalismo.

Lutamos e denunciamos o racismo, que oprime as mulheres racializadas nesta sociedade que perpetua o mito da democracia racial.

Lutamos e denunciamos que somos super exploradas, recebemos abaixo do valor pago aos homens que ocupam as mesmas funções, somos submetidas ao trabalho em turnos, a dupla e tripla jornada de trabalho, o que tende a nos adoecer precocemente.

Diante de tantas violências, violações e opressões que impõem a nós mulheres estarmos em luta e resistindo diariamente, o dia 8 de março assume um significado histórico, e demarca a Articulação Internacional das Lutas das Mulheres Trabalhadoras.

As mulheres do Brasil, através da ‘Articulação Nacional’ para construção do 8M no país assumem o mote: “Pela vida das mulheres! Bolsonaro nunca mais! Por um Brasil sem machismo, racismo e fome!”

As mulheres da Região Inconfidentes organizadas na frente “Marias das minas em luta pela vida!”, território de abrangência e atuação da ADUFOP, se somam à luta e à organização do 8M a partir dos seguintes motes: “Fora Bolsonaro, Mourão e Zema! Pela água pública e de qualidade, abaixo as privatizações! Basta de violência contra as mulheres! Chega de racismo não se cale, lute! Pela reestruturação da delegacia, já! Por um novo modelo de mineração e pelo poder popular! Vida com dignidade, contra a carestia e por moradia!”

A ADUFOP convida todas e todos para se somarem ao ato, hoje, 8 de março, a partir das 15h30, com concentração na Praça Tiradentes, em Ouro Preto.

Para demarcar o que é ser mulher, para parabenizar pela data e para chamar à luta e resistências coletivas, a ADUFOP reivindica as palavras da professora e escritora mineira Conceição Evaristo:

Eu-Mulher

Uma gota de leite

me escorre entre os seios.

Uma mancha de sangue

me enfeita entre as pernas.

Meia palavra mordida

me foge da boca.

Vagos desejos insinuam esperanças.

Eu-mulher em rios vermelhos

inauguro a vida.

Em baixa voz

violento os tímpanos do mundo.

Antevejo.

Antecipo.

Antes-vivo

Antes – agora – o que há de vir.

Eu fêmea-matriz.

Eu força-motriz.

Eu-mulher

abrigo da semente

moto-contínuo

do mundo.

Foto da arte: Sindicalista Rose Zehner durante greve na Citroën, Paris, França, 1938. © Willy Ronis.

Diretoria ADUFOP – biênio 2021-2023

8 de março de 2022.