Chamada Cultural: Indicação da Semana 3

Texto: Vida Perdida Autora: Simone Caitano

Vida Perdida 05h00 da manhã. Ele acordou. Estava atrasado, pois sempre acordava às 04h30. Se arrumou rapidamente. Preparou o seu café em tempo recorde. Estava pronto para sair: mais um dia de trabalho. Sua rotina era árdua. Pegava dois ônibus de linha para chegar ao seu trampo. Um tanto exaustivo. Busão sempre lotado. Às vezes o motorista passava direto. Ele respirava fundo e esperava o próximo. No local de trabalho, o patrão vez ou outra o questionava o porquê do atraso. Mal sabia que ele enfrentava uma batalha e tanta só para estar ali. Precisava do dinheiro. Tinha necessidades básicas: moradia, alimentação, contas . Não era questão de escolha. Neste dia, depois de pronto, ele abriu a porta de sua casa e, como de costume, olhou para o céu e deu bom dia. Acreditava nas energias do universo. Para ele não era um simples bom dia. Era algo sagrado. Como quem olha para as estrelas e faz um pedido, crendo que um dia obterá o retorno, ou talvez respostas. Ou como quem se banha numa cachoeira, acreditando que está se renovando. Escutou barulhos assustadores. Tiroteio. Cedo assim e a favela já acordava com o som do fuzil. A realidade sempre o chamava. Não tinha como fugir. Ele não podia perder mais um dia de trabalho. Já tinha faltado semana passada. E o recado havia sido dado: "mais uma e tá no olho da rua". Logo ele, que sempre esteve no olho do furacão. Era um leão por dia. Outrora, era a selva inteira. Saiu de seu lar cautelosamente. Quando o tiro parecia perto, colocava os dedos nos ouvidos como um menino assustado que pede socorro. Ele não detestava a vida, nem seu povo favelado, nem tampouco a periferia. Mas odiava o modo como vivia. Não era algo agradável. Também não era muito fã de polícia. Já tinha tomado muito tapa na cara voltando do serviço. Ele apressou os passos. Precisava sair daquele espaço. Tava correndo sérios riscos. Mas já estava acostumado. Num segundo, pá... Ele caiu. Foi atingindo vorazmente por uma bala na cabeça. Caído no chão, seu sangue derramou. Sua mochila continuou nas costas. Uma lágrima ele derramou. Sabia que não iria sobreviver. Uma dor insuportável o tomava. Ele gemeu e suspirou pela última vez. Seus olhos abertos permaneceram: um contato direito entre a terra e o céu. Talvez fosse um pedido, e pela lágrima que acompanhava, há quem diga ecoava por paz e justiça. Cá entre nós, não era bala perdida. Foi achada, como sempre, num corpo periférico. O tempo do nada mudou. O céu escureceu e chorou. Mais uma vida perdida. Mais um negro para as estatísticas. . . Autoria: Simone Cristina Caitano. (@caitano_simone @dreamy.black) CHAMADA CULTURAL ADUFOP: A ADUFOP tem recebido indicações de obras através da Chamada Cultural ADUFOP. A iniciativa tem intuito de ajudar a compreender o momento através da cultura. Faça sua indicação por direct (Instagram) ou encaminhe para o e-mail: comunicacao@adufop.org.br


Horário de funcionamento:
De segunda a sexta, das 9h às 17h.


Telefone: (31) 3551-5247
E-mail: secretaria@adufop.org.br

comunicacao@adufop.org.br

Endereço: R. Antônio José Ramos, 65 - Bauxita, Ouro Preto - MG, 35400-000, Brasil

  • Preto Ícone YouTube

Desenvolvido pela Assessoria de Comunicação ADUFOP | 2018