Docentes participam de atos contra a PEC 32 no dia do servidor e da servidora


Representantes da Diretoria Nacional do ANDES-SN e das seções sindicais participaram das atividades em Brasília.

O dia 28 de outubro, quinta-feira, foi marcado por protestos em todo o país. A data dedicada à valorização de servidoras e servidores federais, estaduais e municipais foi celebrada com muita luta e unidade contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, da reforma administrativa.


Em quase todas as capitais do país ocorreram atos, panfletagens, agitações e audiências públicas, com o objetivo de denunciar os perigos do texto que tramita no Congresso Nacional e pode por fim aos serviços públicos gratuitos, incluindo Saúde e Educação.


Pela manhã, o ato de maior destaque ocorreu em Brasília (DF). A capital federal tem sido palco de grandes protestos contra a PEC 32 há quase dois meses. O protesto começou às 9h, com caminhada do Espaço do Servidor até o Ministério da Economia. A manifestação, assim como toda a jornada de lutas, contou com a presença de docentes de todo o país, representantes da diretoria nacional do ANDES-SN e das seções sindicais.


Servidores realizaram passeata em Fortaleza (CE). Foto: Adufc-Sindicato.

A mobilização continuou na Esplanada dos Ministérios até meio dia com dirigentes das dez centrais sindicais, incluindo a CSP-Conlutas, parlamentares e representantes de diversas entidades saudando o dia de luta e o esforço que vem sendo realizado pela categoria na batalha contra a PEC 32.


Os trabalhadores do setor público em Salvador (BA) e Fortaleza (CE) também realizaram grandes mobilizações de rua. Na capital cearense, a data marcou o início da Campanha Salarial do funcionalismo no estado. Docentes das seções sindicais integraram a caminhada no bairro Dionísio Torres, da Praça da Imprensa até a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. Na capital baiana, os docentes das estaduais da Bahia cobraram a reposição de seus salários, defasados desde 2015.


Faixas colocadas na Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

No Pará, foram registrados protestos de servidores na capital Belém e em Santarém, segunda maior cidade do estado. Em todos os atos, além do fim da Reforma Administrativa, os manifestantes gritavam pelo Fora Bolsonaro.


Em Cuiabá (MT), docentes colocaram faixas em vários locais para alertar sobre os perigos da PEC 32 e protestar em defesa dos serviços públicos. Em Uberlândia (MG), teve panfletagem em frente ao Hospital Universitário da Federal (HU/UFU).


Já em Vitória (ES), as manifestações se concentraram em frente à Prefeitura Municipal. Em conjunto com as entidades que estão mobilizadas contra a PEC 32, o ato fortaleceu a luta de servidoras e servidores municipais para reivindicar reposição salarial e o cancelamento da perversa reforma da previdência feita pelo prefeito Pazolini.


Os protestos na cidade de São Paulo mostraram como a unidade tem sido um elemento chave para ter sucesso na luta. O ato contra a PEC 32 teve início às 16h, na Praça da República, reunindo centenas de manifestantes no centro da maior cidade do Brasil.


Após as falas de dirigentes sindicais e de representantes de categorias do setor público e privado, a multidão caminhou até a Câmara Municipal da cidade, onde servidores municipais protestavam contra as mudanças nas leis da aposentadoria planejadas pelo SampaPrev 2.


Com gritos de “Unificou, unificou, unificou a luta do trabalhador”, as duas mobilizações se uniram, reunindo milhares de pessoas. O ato que unificou as pautas terminou somente por volta das 19h, mesmo com o mal tempo e a chuva.



Docentes enfrentaram a chuva no Rio de Janeiro e foram às ruas da capital protestar contra a PEC 32. Clever Felix / LDG News

No Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS) as mobilizações também aconteceram no período da tarde. Na capital fluminense o ato aconteceu de baixo de chuva, no centro da cidade, com a presença de docentes e demais servidores e servidoras. Além de lutar contra a PEC 32, os e as participantes denunciaram o descaso do governo federal com os trabalhadores públicos, em especial os que atuam em Saúde e Educação, setores asfixiados com os cortes orçamentários que impactam no atendimento a população em geral.


Zuleide Queiroz, 2ª vice-presidenta do ANDES-SN, ressaltou a importância da Jornada de Lutas que vem ocorrendo desde 13 de setembro, em Brasília e nos estados, para barrar a votação da PEC 32 e destacou as atividades dessa quinta-feira (28), que marcaram o dia das servidoras e servidores em todo o país.


“Essa foi mais uma semana de mobilizações muito importante. Todas foram relevantes, mas essa foi especial, pois foi marcada pelo dia das servidoras e dos servidores, com atos em Brasília e por todo o país, na luta pela valorização do funcionalismo. Para nós, foi fundamental poder passar essa semana com intensa mobilização em defesa de nossas carreiras e dos serviços públicos, que são essenciais para a população brasileira”, comenta.


A 2ª vice-presidenta do ANDES-SN destacou as atividades na capital federal, com uma agenda de atos no aeroporto, no Ministério da Economia, da Ciência e Tecnologia e com vigília em frente ao Anexo II da Câmara dos Deputados, que contou com a presença de alguns parlamentares, que se estiveram nos atos e declararam apoio à luta dos servidores e das servidoras.


“Nosso movimento contra a PEC 32 continua crescendo. Já fizemos o chamado à categoria, mas reforçamos o pedido para que docentes de todo o país se engajem na luta contra a reforma administrativa, para que nessas próximas oito semanas possamos continuar essa grande mobilização nos estados e em Brasília”, conclama.



Fonte: ANDES-SN Com informações das Seções Sindicais e da CSP-Conlutas