Indicação da semana 11

Indicação da semana

Texto: Da quebra de máquinas à resistência às novas tecnologias: professoras, as novas Capitãs Swings?

Autor: Luciano Mendes

Fonte: Blog do Pensar a Educação




Outro dia, em conversa com alguns colegas, falávamos sobre as dúvidas, incertezas e inseguranças que vivemos nestes tempos de aulas remotas e com  a presença ostensiva das diversas tecnologias nos processos de ensino e aprendizagem. Para muitos, a face mais visível destas tecnologias são os computadores e os celulares e, não poucas vezes, tais instrumentos objetivam um ameaça que há muito paira sobre nossas cabeças: o fim da docência.


Não são de hoje, e muito menos devido à pandemia, os discursos sobre a obsolescência das professoras e dos professores. Desde pelo menos a generalização da emissão radiofônica e dos aparelhos de rádio que se vaticina que as tecnologias substituiriam, com melhor proveito e economia, os professores nas relações de ensino aprendizado escolares e periescolares. De lá para cá, há um conjunto muito expressivo de grupos políticos e empresariais interessados em fazer valer essa máxima, tanto em razão dos lucros que almejam nesse imenso mercado que é a “educação escolar”, quanto da muito maior facilidade de controle político, pedagógico e cultural que as máquinas permitem quando comparadas às professoras e aos professores esparramados pelo imenso território nacional.


Não é sem razão, pois, que a intensificação da presença das tecnologias no ambiente escolar e, agora, a adoção da educação remota e o aumento do empresariamento da educação tragam insegurança de cada um de nós professores e professoras, e dos coletivos que em nos organizamos, quanto ao futuro de nossa profissão.


Esse sentimento, amplamente disseminado, me fez lembrar os estudos sobre a resistência dos trabalhadores urbanos e rurais ingleses, na passagem do século XVIII para o XIX, em relação à adoção das máquinas e à mecanização do trabalho. Por um longo período, houve uma resistência mais ou menos organizada contra a mecanização do trabalho porque isso, dentre outras coisas, trazia pobreza, desemprego e morte para a população mais pobre.


Durante um longo período da história, tais movimentos forram interpretados como resistências obsoletas e arcaicas contra a entrada revolucionária e benéfica das novas formas de produção capitalista. No entanto, em um clássico estudo sobre tais movimentos, publicado sob o título de Capitão Swing,  E. Hobsbawm e G. Rudé  reinterpretavam o movimento ludista inglês e nos mostraram os sentidos da ação coletiva dos trabalhadores frente a expansão capitalista e na organização das revoltas rurais na Inglaterra do início do século XIX. No livro, a ação coletiva ganhava sentido e desfazia-se a ideia de uma ação irracional dos trabalhadores contra a inexorabilidade do capitalismo.


No caso estudado E. Hobsbawm e G. Rudé, o movimento, liderado por um lendário Capitão Swing, reagia contra a mecanização do campo e, numa de suas resistências mais específicas, contra uma máquina de descaroçar algodão, que deixava os camponeses sem trabalho e passando fome no inverno. No entanto, o estudo mostrava, também, que os trabalhadores ingleses sabiam estar em jogo todas as suas culturas, seus saberes, seus modos de vida e de sobrevivência, e buscavam lutar contra as ameaças com as armas que tinham.


Dessa luta aparentemente inglória e, para muitos, irracional, resultou, segundo os autores do Capitão Swing, vitórias expressivas para o movimento operário e camponês da Inglaterra: imediatamente, uma retração da mecanização das atividades manuais e, no tempo mais longo, um aprendizado coletivo de fundamental importância para a luta operária que se desenvolveria nas décadas e séculos posteriores.

Retorno, pois, a essa história com o propósito de refletir sobre a nossa situação “professoral” hoje em dia e convidar aos(ás) colegas professores e professoras a pensarmos sobre a “inevitabilidade” da assunção dos modelos educacionais baseados no uso intensivo das tecnologias e do “inevitável” impacto disso na configuração e, mesmo, existência da profissão docente. De outra parte, numa perspectiva mais ampla, não se pode esquecer o impacto disso tudo na produção e reprodução de novas e velhas desigualdades escolares e, por suposto, sociais, políticas, econômicas e culturais.


Os medos que tomam de assalto a docência, hoje, não são contra o novo e as benesses dos usos das tecnologias, como anunciam peremptoriamente os arautos do liberalismo político-econômico incrustrados nos governos, nas fundações e nas empresas educacionais. Teme-se a morte, o desemprego, o baixo salário, o esvaziamento da cultura profissional e a intensificação do trabalho. Teme-se pela sorte dos alunos e das alunas sem internet e condições de moradia adequadas, o aumento das desigualdades escolares e sociais.


Não há nada de irracional, doentio ou passadista na resistência que hoje se apresenta contra a intensificação dos usos das tecnologias na educação. Nesta luta pelos sentidos da educação, seja no espaço público ou não, há muito mais em jogo do que os supostos “tradicionalismo e corporativismo” docentes, pois as professoras seriam avessas às mudanças e aos aprendizados de novo tipo. A luta diuturna é pela garantia da qualidade da escola e contra a produção de novas desigualdades escolares e a reprodução daquelas que nos assolam há séculos.


Muitas das propostas que hoje são apresentadas por belas propagandas e lindos pactos educacionais, não têm como alvo apenas a autonomia docente,  o protagonismo das comunidades escolares e as enormes diversidades que nos constituem, tidas e havidas como insuportáveis cultural, política e pedagogicamente pelos arautos do novíssimo entusiasmo pela educação. Eles objetivam a reprodução de antigas e a produção de novas condições de expansão do capital e de seus lucros, e de submissão político-cultural-econômica-epistemológica da maioria da população aos desígnios estabelecidos pela tecnoburocracia.

É legítimo resistir! É necessário resistir! E nunca é demais lembrar Walter Benjamim, que já há quase um século nos ensinava:


Todos os que até hoje venceram participam do cortejo triunfal, em que os dominadores de hoje espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os despojos são carregados no cortejo, como de praxe. Esses despojos são o que chamamos bens culturais. O materialista histórico os contempla com distanciamento. Pois todos os bens culturais que ele vê têm uma origem sobre a qual ele não pode refletir sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos grandes gênios que os criaram, como à corveia anônima dos seus contemporâneos. Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie. E, assim como a cultura não é isenta de barbárie, não o é, tampouco, o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua tarefa escovar a história a contrapelo.

CHAMADA CULTURAL ADUFOP:


A ADUFOP tem recebido indicações de obras através da Chamada Cultural ADUFOP. A iniciativa tem intuito de ajudar a compreender o momento através da cultura. Faça sua indicação por direct (Instagram) ou encaminhe para o e-mail: comunicacao@adufop.org.br


Horário de funcionamento:
De segunda a sexta, das 9h às 17h.


Telefone: (31) 3551-5247
E-mail: secretaria@adufop.org.br

comunicacao@adufop.org.br

Endereço: R. Antônio José Ramos, 65 - Bauxita, Ouro Preto - MG, 35400-000, Brasil

  • Preto Ícone YouTube

Desenvolvido pela Assessoria de Comunicação ADUFOP | 2018